Kimbundu - Angola

Arimo – (Do Kimbundu ku rima ou ku dima, cultivar) – Lavra, pequena plantação agrícola. Termo em desuso a partir do início do século XX.

Avilo – Amigo (gíria luandense).

Axiluanda – V. Muxiluanda.

Bantu – Plural de muntu; designação dos povos africanos entre si, significando seres humanos; aplicável também às línguas africanas, cuja flexão se faz por prefixação.

Banzo – (Do kimbundu ku banza, pensar, raciocinar) – Admirado, aparvalhado, pensativo.

Bazar – (Do kimbundu ku baza, romper) – Fugir, sair subitamente.

Bufunfa – Medo (calão luandense).

Bungula – Dança efectuada pelos feiticeiros quando pretendem atingir alguém com um malefício. (t. kimbundu).

Calema – (Kimbundu, Kalemba) – Procela, tempestade no mar.

Calundú – (Aportuguesamento de Kilundu, plural Ilundu) – Espírito de antepassado.

Camalongo – Tributo de honra prestado pelo noivo à família da noiva. Correspondente ao kimbundu alembamento (t. kikongo).

Camba – (Kimbundu, Dikamba) – Amigo.

Cambuta – (Kimbundu, Kambuta) – Homem baixo.

Candongueiro – (Do kimbundu Candonga, negócio ilegal).

Caporroto – Aguardente de milho.

Cassule – (Do Kimbundu ku suluka, ficar livre) – O filho mais novo.

Cassuneira – (Do kimbundu ku suna, ter carranca) – Espécie de cacto que chega a atingir quatro metros de altura.

Cazumbi – Alma do outro mundo (t. kimbundu).

Curibotice – (Do Kimbundu ku dibota, palrar, dizer mal) – Maledicência.

Dibata – Ver Kubata.

Dicanga – Terreiro de dissaquela (t. kimbundu).

Dicosso-dos-calundús – Água lustral destinada ao ritual de evocação dos espíritos (Tradução do Kimbundu, Dicosso dia Ilundu).

Dikamba – Amigo, companheiro (t. kimbundu).

Dilombe – Pequeno santuário ou altar de oração do quimbanda (t. kimbundu).

Diongo – Arpão bifurcado para fisgar peixes (t. kimbundu).

Dissaquela – (Do kimbundu ku sakela, adivinhar) – Ritual de evocação dos espíritos.

Dongo – (Kimbundu, Ndongu) – Canoa de madeira de mafumeira.

Dunda – (Kimbundu, Ndunda) – Penhor prestado aos espíritos pelo seu chamamento.

Fenela – Designação, em gíria, da FNLA (Frente Nacional de Libertação de Angola).

Funji – Massa cozida de farinha, denominada fuba, geralmente de milho, massambala, massango mandioca ou batata doce (t. kimbundu).

Ilamba – Ver Kilamba.

Ilêmbu – Dote ou tributo de honra prestado pelo noivo à família da noiva; veio a ser aportuguesado para alembamento (t. kimbundu).

Imbanda – Ver Kimbanda.

Jimbamba – (Kimbundu, plural de mbamba) – Pequeno búzio.

Jindandu – (Kimbundu, plural de ndandu, parente) – Família, parentes.

Jindombe – Gémeo (t. kimbundu).

Jingola – Ver Ngola.

Jingolôlo – Gritos tumultuosos, clamores, berraria (t. kimbundu).

Jinguindo – (Kimbundu, plural de ngindu, trança, do verbo ku inda, entrançar) – Trança.

Jinguingi – Bagre (t. kimbundu).

Jisoba – V. Soba.

Kabasa – O mais novo de dois gémeos; é também sinônimo de contemporâneo ou de mundo dos vivos; também aplicável à cidade fortificada do Ngola, na zona onde o rei convive com os vivos (t. kimbundu).

Kakulu – O mais velho de dois gémeos; é também sinônimo de antepassado ou de mundo dos mortos; também aplicável à zona da cidade fortificada do Ngola onde o rei guarda os objectos sagrados e as relíquias dos antepassados (t. kimbundu).

Kakusu – Tilapia, peixe de rio (t. kimbundu).

Kalemba – Agitação violenta do mar; por corruptela portuguesa, foi-se transformando com o tempo em calema (t. kimbundu).

Kalundu – Aportuguesamento de kilundu, espírito de antepassado; também se usa para designar a cerimônia do chamamento desses espíritos ou o culto das yanda (t. kimbundu).

Kalunga – Mar, abismo; termo também utilizado no sentido de morte, firmamento ou mundo dos mortos (t. kimbundu).

Kalungangombe – Ente espiritual que acolhe as almas dos mortos no outro mundo (t. kimbundu).

Katutu – Mês do calendário kikongo e kimbundu correspondendo aproximadamente a Julho, época do ano compreendida no kixibu e onde se queimam os morros; antecede o mês da Kisepa, das queimadas dos terrenos agrícolas (v. Kixibu).

Kiangala – Pequena estação seca correspondendo ao mês de Janeiro (t. kimbundu).

Kianda – (plural, Ianda) – Espírito das águas (t. kimbundu).

Kibaka – Pequeno cepo usado como banco; espécie de mocho rudimentar (t. kimbundu).

Kibinda (Plur. Ibinda) – Caçador profissional, um estatuto iniciático entre os Mbundu, dispondo de poderes sobrenaturais para lidar com animais selvagens de grande porte (t. kimbundu).

Kiela – Espécie de gamão africano jogado com pedras na areia (t. kimbundu).

Kijibanganga – Assassino, destruidor (do kimbundu ku jiba, matar).

Kijiku (gentes de) – Serviçais dos de mudinda originários de outros clãs, em geral prisioneiros de guerra ou seus descendentes; literalmente, gentes de fogo, por alusão ao acto do serviçal acender o fogo da lareira da casa daqueles a quem serve; também chamados gentes de quintal ou gentes de fora (t. kimbundu).

Kijila – Interditos; em Portugal, por influência dos escravos africanos, esta palavra entrou no léxico português sob a forma de quezília, cujo significado foi evoluindo com o decorrer dos séculos (t. kimbundu).

Kijinga – Espécie de gorro usado como coroa pelos jingola ou como distintivo de linhagem pelos altos dignitários Mbundu (t. kimbundu).

Kilamba – Intérprete ou “condutor” das sereias (ianda); com a instituição da chamada “Guerra Preta” e de outras formações militares coloniais constituídas por africanos, adquiriu também o significado de capitão ou condutor de homens (t. kimbundu).

Kilembu – Palavra que viria a ser aportuguesada para alembamento; o mesmo que dote (t. kimbundu).

Kilombo – Acampamento fortificado, entre os Mbangala.

Kimbanda (plur. Imbanda) – Especialista de magia Mbundu e Imbangala, havendo vários tipos consoante o espírito que tratavam e os meios que utilizavam (t. kimbundu).

Kimbiji – Peixe grande (t. kimbundu derivado da junção do aumentativo ki com o substantivo mbiji).

Kimenga – Preparado à base de qualquer animal doméstico que as raparigas kikongo têm de comer durante os ritos de puberdade.

Kinhoka – Cobra comprida (t. kimbundu que está na origem da palavra minhoca).

Kinzári – Monstro imaginário com corpo de fera e pernas humanas (t. kimbundu).

Kipa – Magia que concede o poder da metamorfose, geralmente em animais ou árvores, ou da transmissão de remédios ou preventivos (t. kimbundu).

Kisoko – Costume bantu que consiste no acordo íntimo entre duas famílias transmissível aos descendentes (t. kimbundu).

Kixibu – Grande estação seca, nebulosa e ventosa que corresponde aos meses compreendidos entre Maio e Setembro; veio a ser aportuguesada para cacimbo; dela fazem parte os seis meses de Kasambéua, Kanake, Kávuá, Kakui, Katutu e Kisepa.

Kixima – Cachimbo, chaminé; escavação aberta numa superfície formando um buraco, que originou o verbo cachimbar e também a palavra cacimba no sentido de poço ou cisterna (t. kimbundu).

Kizaka – Esparregado de folhas de mandioqueira (t. kimbundu).

Kofu – Cesto estreito e comprido usado outrora pelas mulheres da Ilha de Luanda na pesca do nzimbu; também usado como medida de capacidade.

Kota – (Kimbundu, Dikota) – Mais velho.

Ku Luanda – Segundo determinados autores, significa para ocidente (t. kimbundu).

Kubata (plur. Dibata) – Casa (t. kimbundu).

Kuku ia diala – Avô (t. kimbundu).

Kula – O mesmo que, em kimbundu, Tacula (t. kikongo).

Kulembe – Estado lendário muito antigo do planalto de Benguela.

Kumbú – (Do kimbundu Ukumbu, vaidade) – Dinheiro.

Kusamanu – Período das grandes chuvas entre Fevereiro e Abril (t. kimbundu).

Kutanu – Meses de Novembro e Dezembro, compreendidos na estação quente das chuvas (t. kimbundu).

Lemba dya Ngundu – Tio da linhagem matrilinear, entre os Mbundu (t. kimbundu).

Lumbu – Termo kikongo usado para designar o conjunto dos descendentes de alguém pela via patrilinear.

Lunga – Pedaço de madeira símbolo de autoridade Mbundu muito antigo, associado em particular aos bapende; acreditava-se que viera do mar e tinha estreita ligação com a água de lagoas e rios.

Maiombola – Sortilégio para aproveitamento da alma de um vivo, levado a cabo, ou por iniciativa de espíritos mortos, ou por acção de feiticeiros; a palavra também é usada para designar a própria alma da vítima (t. kimbundu).

Maka – Questão, conflito (t. kimbundu).

Malunga (Santo de) – (Kimbundu, plural de dilunga) – Espíritos de indivíduos de raça branca e raça negra que se revelam por simpatia e isoladamente, em lugar apropriado.

Mambo – Doutrina, preceito (t. kimbundu). Modernamente usado no sentido de assunto, estória.

Mangonha – Preguiça (t. kimbundu).

Marufo (ou maruvo ou maluvo) – Vinho do sumo de caju ou de seiva de matebeira, palmeira, palmito ou bordão (t. kimbundu).

Massambala – Milho de sorgo ou milho miúdo, que serve para fazer fuba mas também para alimentar as galinhas.

Matacos – (Kimbundu, plural de Ditaku) – Nádegas, ânus.

Matebeira – Árvore da família da palmeira cujas folhas são utilizadas para o fabrico de vassouras, abanos, sacos e e cordas e de cuja seiva, depois de fermentada, se extrai o maluvo (t. kimbundu).

Matubas – (Kimbundu, plural de Dituba) – Testículos.

Mavunga – Ver vunga.

Mazanga – Designativo da Ilha de Luanda ou Ilha das Cabras; tanto pode querer dizer ilha como baía ou mesmo cântaro de barro, pois deriva do verbo kimbundu ku sangana, que significa convergir; pode igualmente, com a grafia masanga, designar lagoas (plural de disanga, lagoa).

Mbambi – Cabra pequena, de pele muito usada na confecção de tambores ou na arte da adivinhação (t. kimbundu).

Mbiji – Peixe (t. kimbundu).

Mbondo – Adansonia digitata. Árvore africana gigantesca conhecida também pelo nome de baobá ou baobabe e, nos países lusófonos, por embondeiro ou imbondeiro, aportuguesamento do termo kimbundu.

Menha a ndungu – (Kimbundu, literalmente água ajindungada) – Ensopado ajindungado de peixe seco assado.

Milongo – Remédio (t. kimbundu).

Minzangala – (Kimbundu, plural de Munzangala, rapaz) – Juventude.

Miondona – Espírito que, de par com a alma, coexiste num indivíduo e se transmite pela via paterna (t. kimbundu).

Monandengue – Criança (t. kimbundu).

Muadiê – (Do kimbundu Muadiakimi, mais velho) – Termo usado na gíria luandense no sentido de indivíduo, fulano, tipo, gajo.

Mucasso – Risca de pós especiais feita no corpo para protecção do mal (Do verbo kimbundu ku kasumuna, desimpedir).

Mudinda (gentes de) – Homens livres, na maior parte proprietários de terras, que viviam fora do perímetro da "cidadela real" ou mbanza do ngola (t. kimbundu).

Mukulu – Antepassado (t. kimbundu).

Mulamba – Cozinheiro (t. kimbundu).

Mulemba – Figueira africana. Árvore frondosa (t. kimbundu).

Mulôji – Feiticeiro, condutor das forças ocultas maléficas (t. kimbundu).

Mundele – (Plural, Mindele) – Homem branco. Há várias explicações para a origem da expressão, mas inclinamo-nos para a tradição que relaciona os europeus com os espíritos dos antepassados (ndele, plural jindele), de cor branca (t. kimbundu).

Musonge – Acácias (t. kimbundu).

Muxacato – (Do kimbundu ku xakata, friccionar, arrastar) – Instrumento de adivinhação material do quimbanda consistindo num pedaço de madeira friccionado por uma vara. Actualmente, em linguagem urbana, a expressão é, por vezes, usada enquanto sinónimo de umbanda em geral.

Muxiluanda – (plur. Axiluanda) Natural da Ilha de Luanda.

Muxito – Bosque, mata; conjunto de árvores, geralmente ao pé de um rio ou de uma lagoa (t. kimbundu).

Muzonguê – Caldo de peixe (t. kimbundu).

Ndandu – Parente. Também usado no sentido de família (t. kimbundu).

Ngaeta – Harmónica (aquimbunduamento do português gaita).

Ngangula – Ferreiro (t. kikongo, também usado em kimbundu).

Ngola (plur. jingola) – Pedaço de ferro que a maioria das linhagens Mbundu detinha como importante insígnia de autoridade, a qual substituíu o lunga, estando associada ao povo Samba; termo vulgarmente aplicável para designar o seu detentor, ou seja, o Rei (t. kimbundu).

Ngola-Mbole – Grande chefe dos exércitos, imediatamente abaixo do Ngola (Rei) (t. kimbundu).

Nzambi – Deus (t. kimbundu comum à generalidade das línguas bantu).

Nzimbu – Pequeno búzio em tempos pescado pelas mulheres da Ilha de Luanda, que servia de moeda de troca ao Rei do Kongo.

Pancar – (Do Kimbundu ku pangala) – Embater, chocar.

Paracuca – Doce de jinguba em torrões (palavra originada no facto de este doce seco ser comido no acompanhamento da cerveja, sobretudo da marca Cuca).

Pemba – Argila branca usada em umbanda para afastar os malefícios e atrair os espíritos benéficos (t. kimbundu).

Pula – Pessoa de raça branca.

Quarto do kuosa – Quarto de reclusão.

Quifumbe – (Do kimbundu ku fumba, danificar) – Bandido, salteador.

Quilumba – (Kimbundu, Kilumba) – Rapariga, moça.

Quimbanda – (Kimbundu, Kimbanda) – Sacerdote mbundu dos espíritos dos antepassados, que se encontram na terra.

Sanga – Cântaro de barro (t. kimbundu).

Sembar (Do kimbundu ku semba, requebar-se e dar umbigadas) – Dançar.

Soba – (Plur. Jisoba) Chefe local (t. kimbundu).

Sualala – Formiga térmite; o aportuguesamento deste termo kimbundu deu origem ao vocábulo salalé, hoje usual.

Sunguilamento – Ver Sunguilar.

Sunguilar – Passar a noite a conversar, geralmente a contar histórias ou adivinhas (t. kimbundu).

Tacula (ou takula) – Árvore de cuja casca se extrai uma tinta vermelha usada nos rituais da puberdade femininos e em cosmética; a palavra tacula designa também a própria tinta (t. kimbundu).

Uanda – Termo usado tanto no kikongo como no kimbundu e que designa rede, quer de pesca, quer carga de pessoas ou bagagens.

Uanga – Feitiçaria, malefício (t. kimbundu).

Ucussu – Ocre vermelho usado em umbanda para atrair a graça dos espíritos (t. kimbundu).

Ulungu – Embarcação de madeira similar ao ndongo, mas mais pequena (t. kimbundu).

Umbanda – (Do kimbundu ku banda, desvendar) – Consiste na arte de curar ou adivinhar, sempre mediante o chamamento dos espíritos dos antepassados.

Vunga (plur. mavunga) – Título de nomeação, introduzido entre os Mbundu através do Libolo, distinto das posições hereditárias e perpétuas.

Xaxatar – (Do kimbundu ku xaxata) – Tocar, apalpar.

Ximbicar – Remar à vara, geralmente de bordão, espetando-a no fundo da água do mar, rio ou lagoa (t. kimbundu).

Xingar – (Do kimbundu ku xinga) – Injuriar, praguejar.

Xinguilar – (Do kimbundu ku xinguila) – Entrar em transe. Tem origem na cerimónia da dissaquela, significando o momento de receber a incorporação dos espíritos.

Zungueiro – (Do kimbundu ku zunga, circular) – Vendedor ambulante.

Kassange Kiribum - Angola

Artigos:

Utilizados somente no início de frases.

O - Unguí.

A - Unguiá.

Pronomes Pessoais:

Existe unicamente os pronomes eu, ele, ela, você e nós. Os verbos são pouco flexionados.

Eu - Siá.

Ele, eles - Quió.

Ela, elas - Quiá.

Você - Kuá.

Nós - Neuá.

Pronomes Possessivos:

Seu - Ince.

Sua - Inça.

Meu - Unketo.

Minha - Unketa.

Comigo - Siadú.

Contigo - Kitagu.

Pronomes Demonstrativos:

Este - Aké.

Esta - Akejó.

Neste - Naké.

Nesta - Nakejó.

Adjetivos:

Alto - Mambola.

Baixo - Mambó.

Gordo - Zolobó.

Magro - Zolo.

Caro - Paneto.

Barato - Pané.

Duro - Aletoco.

Mole - Aletó.

Nomes de animais:

Pato - Pepeye.

Galo - Akukó.

Galinha - Adié.

Cobra - Dan.

Camarão - Apekó.

Carneiro - Acutan.

Cágado - Ajapá.

Bode - Okukó.

Ganso - Leketó.

Papagaio - Odidé.

Porco - Eledi.

Peixe - Odassu.

Metais:

Cobre - Nbavu.

Ferro - Uanteké.

Prata - Miungo.

Ouro - Euála.

 

Vocabulário:

 

Algum lugar - Kutala.

Algodão - Magulo.

Arqueiro - Cabila.

Anão - Ambugué.

Ajoelhar-se - Uzantála.

Alguidar - Oberó.

Alimentar - Ajeunsá.

Amigo - Makamba.

Amanhã - Nauatu.

Amarrar - Pompó.

Andar - Quendá.

Apertado - Kuncheto.

Árvore - Izaba.

Baixo - Mambó.

Balde - Arúba.

Banho - Maionga.

Banquinho - Apoti.

Barro - Navango.

Beber aguardente - Amuraxó.

Bonito - Bakere.

Branco - Fukun.

Brigão - Singanga.

Café - Amidundum.

Cachoeira - Abokun.

Caminho - Abaté.

Cavaleiro - Mocumbo.

Cavalgar - Rossi.

Canjica - Gungunzá.

Campo - Nanguê.

Casa - Inso.

Caridade - Kitaremi.

Caro - Paneto.

Carvão - Macala.

Cedo - Zingue.

Chave - Ekutu.

Chegar - Zuá.

Claridade - Mossambura.

Colher - Kotó.

Comer - Kukiá.

Céu - Duilo.

Cabelo - Mukuná.

Carrego - Ezô.

Casa de santo - Abassá.

Cachaça - Malava.

Cesto de palha - Jacá.

Cebola - Alubaça.

Cemitério - Balé.

Cerimônia fúnebre - Sirrum.

Chão - Ambá.

Coragem - Arepó.

Copo - Dilonga.

Companheiro - Malungo.

Cortar - Kuru.

Cozinha - Ungo.

Corpo - Mukutu.

Criança - Cafioto.

Cuia - Sokobo.

Dançar em círculo - Batuguenje.

Dar - Bokun.

Defeito - Kaena.

Dendê - Masi.

Desgraça - Lambá.

Despacho - Muamba.

Dinheiro - Acossi.

Duro - Aletocó.

Encruzilhada - Arê.

Espaço do barracão - Sambilê.

Espada - Ofange.

Espírito da natureza - Akobó.

Faca - Pocó.

Fanático - Camaná.

Farinha - Maiaca.

Feijão - Macunde.

Fino - Beku.

Filho(a) - Mona.

Fogueira - Rixita.

Folhas secas - Mutamba.

Fogo - Izô.

Festa - Batucajé.

Felicidade - Sinavuru.

Flor - Liégi.

Floresta, mata - Caindé.

Fumar - Etabó.

Fumo - Macanho.

Frutas - Quilendê.

Fome - Ezala.

Garrafa - Gozó.

Gemeos - Mabaça.

Girar - Bambola.

Giz - Efun.

Gordo - Zolobó.

Grosso - Befunza.

Guerra - Kewala.

Homosexual - Unfeto.

Ídolo - Quissange.

Irmão - Pangi.

Irmãos - Gipangi.

Lado - Banda.

Lá vem - Sopuê.

Laranja - Malala.

Leite - Masana.

Licença - Agô.

Limão - Rombô.

Livro - Paunfó.

Maçã - Xurí.

Magro - Zolô.

Majestade - Cuambô.

Majestoso - Cumbela.

Mar - Amotekum.

Marron - Laiáka.

Manga - Mangoro.

Milho - Olotô.

Mole - Aletó.

Mel - Oim.

Melhor - Ambekó.

Mesa - Ulezó.

Morte - Kalunga.

Morto - Baléto.

Mulher idosa - Cacurucaia.

Nascer - Nafun.

Noite - Nssuku.

Nome - Azí.

Novisso - Muzenza.

Navalha - Ximan.

Ódio - Enki.

Ogan - Kissicarangombe.

Ossoa - Ifuba.

Ôvo - Riáqui.

Palha - Nangá.

Panela - Sugo.

Pão - Nebulo.

Papel - Gemó.

Pé - Malo.

Peneira - Urupema.

Pequeno - Nepun.

Perdão - Ojounká.

Poço - Cacimba.

Prato - Guruzó.

Quente - Izomó.

Que vem - Jaoci.

Que vai - Jasido.

Quarto - Lará.

Rapaz - Caiála.

Raso - Inambó.

Relâmpago - Lakum.

Reza - Angorossi.

Risada - Biole.

Respeito - Catulê.

Roupa - Moquetá.

Roupas dos filhos de santo - Axó.

Roxo - Zúmba.

Sapato - Abatá.

Sagrado - Zambiri.

Sal - Ió.

Santo da casa - Lembadilê.

Sede - Sedan.

Segredo - Zukála.

Sepultura - Cafofo.

Socorro - Maleme.

Tarde - Sukitala.

Terra - Iungo.

Tesoura - Curuzu.

Toalha - Sualemi.

Traje branco - Abadá.

Trevas - Kimba.

Trovão - Kilomino.

Universo - Angomi.

Vela - Moila.

Verde - Gukó.

Vermelho - Alokô.

Viagem - Tobi.

Vida - Lakangi.

Viver - Lakan.

Voz - Risue.

Tchokué - Angola

Abunho
Muito

Aha
aqui

Ana
criança


Sim

Batula
cortar

Bilô
escritório

Bitacaia
carraça

Boi-a-cuco
criado de recados

Cabaço
virgindade, os três vinténs

Caca
avô

Capita
guarda, policia

Caquece
Pequeno

Caqueno
Avó

Chipema (pema)
Bem

Chingi
Muito, mais que(??)

Chuma
coisa

Dem-dem
Fruto de palmeira

Dumba, ndumba
Leão

Dundo
Bola

Eua’
obrigado

Falanga
Dinheiro

Falanga Kaké
Pouco dinheiro

Falanga jinqué
quanto custa

Gindungo
Piri-piri

Gonga
sirene ( falcão africano)

Gungungo
força, estás com força

Hindji / handji
muito / muitos

Hi:na
pano, peça de vestuário

Iame
eu, meu, mim

Ika
Que é?


não

Kambu
cabelos

kaké
Pouco

Kamanga
diamantes

Kambuta
pequeno

Ka-mukanda (tumikanda)
Pequeno livro (pequenos livros)

Kanhangulo (ka-kangula)
espingarda artesanal

Katana
Espada, faca

Katapi
ginguba

Kateco
dança

Katuka
Vai-te embora

Kawashi, nikawashi
depressa

Kaxico
não há desapareceu

Kinga, kandanda
Bicicleta

Kissange, chisangi, cisanji
instrumento musical com varetas metalicas

Koi-Koi
Velho

Kuno
aqui

Ku sakwila
obrigado,

Kutala
Olhar , observar

Kutanguila
Curioso, o que dá fé de tudo

Kwata, ku kwata
apanha, agarra

Lamba
Tareia, porrada, conflito, problema

Liji (maliji)
Palavra (palavras)

Lilu (malilu)
Céu, paraiso (paraisos)

Lukambu
cabelo

Lunga
Homem

Lupango
Quintal, terreiro

Lwano (ngano)
Pegada (pegadas)

Macosso
centopeia/lagarta

Macove
Couve

Mafuta (ma- futa)
Forte, gordo ( futa=pirao)

Makanya, macanha
tabaco

Malufo
vinho

Malunga
Homens

Mama
mãe

Mangonha
preguiça

Mapó,mapwo
Mulheres

Mataco
traseiro

Matu
tio

Matumbo
estúpido, burro

Matshishi (Maxixe )
hortaliça, couve

Meia ,meya
Água

Mexôxo
prepúcio

Mikanda
Cartas,livros

Milongo
remédio

Moio
adeus

Moio ué
viva, estás bom

Mokomoko
De qualquer maneira

Mona, mwana
Filho, menino

Mwana-lunga
Rapaz, filho

Mwana-pwó
Rapariga

Muata, mwata
patrão, senhor

Muica
Um, uma

Mukanda
Bilhete; ritual de circuncisão masculina

Mukweze
jovem

Mukweze-wa-lunga
Jovem homem

Mukweze-wa-pwo
Jovem mulher

Mulonga(milonga)
Crime, crimes

Mulongo
fila

Munene
grande, importante

Muquixe
mascarado

Murimbo (mulimo)
Trabalho

Mussoko *
casa

Mutondo
pau

Mutopa
Cabaça para fumar

Mutu (atu)
Pessoa (pessoas)

Mutwe (mitwe)
Cabeça (cabeças)

Ngangabuka (kangabuca)
doutor

Ngulo, gulo
porco

Nzambi
Deus supremo da Mitologia

Pó, pwo
Mulher, fêmea

Poko
Faca

Poto-poto
Lama, problema

Puto
Portugal, metrópole

Sena mulongo
fazer fila, alinhar

Soba
Chefe

Tata
pai

Tata-weno
Sogro, genro

Tata-pwo
Tia sogra

Tshifulo
chapéu

Tshanana (mokomoko)
sem valor, que não presta

Tshihunda
aldeia

Tshilulo
Pano, trapo, vestido

Thoji
passaros, aves da familia das Otilidae

Tuje
merda

Tweia kuno
Vem cá

Uafa
Morte, morreu

Vula
Chuva

Vula kaneza
Vem chuva

Xilumbo (ci-lumbo)
Confusão, problema

Xitupa
caderneta

Zala
Fome

Zungo
Silêncio, cala-te

Fongbé - Daomé

A

abaman/agbăn: caneca.
abagana: pulseira
Aberigàn: um dos nomes do vodun Gbèsén.
àbìkú: natimorto, nascido para morrer
àbìkúsén: cultuar àbìkú.
ablóò: pão de milho fermentado.
ablù: escuro.
ablumé: escuridão
aborruisún (grafa-se abɔxwisún): novembro.
adăn: corajem. (Sogbo adăn: corajoso Sogbo).
Adĕn (Adeen): vodun feminino da família do trovão (Hevioso).
aidóhwedó(1): arco-íris.
Aidóhwedó(2): serpente arco-íris (vodun)
agasu(1): bastardo.
Agasu(2): ancestral divinizado das dinastias de Alladá, Abomey e Porto Novo.
àgbasá: salão onde dançam os voduns.
àgbaságán/agbajígán: ogã responsável pelo àgbasá, cânticos, etc.
Agbé: uma das mães d’água, velha e possuidora de grande sabedoria.
Agbétawoyó: vodum masculino do panteão do trovão que habita o mar. Seu nome significa “ruído do mar”.
Agέ (Agué): vodun das plantas, folhas e da caça.
àgbò: carneiro
agralà: o mesmo que padê para os nagôs.
agonké: coco
agon: abacaxi
ahama/ahehun: barco de vodunsìs.
àlunsùn: janeiro.
akanma/akò/zàn: esteira.
ako/henu: família, linhagem familiar, clã.
ako-nyí: sobrenome.
ako-vodun: vodun familiar, clânico.
Akotokwen: um título de um vodun; patriarca de um clã.
Aklombé (Akorumbé ou Akarumbé): vodun da família do raio que envia a chuva de granizo.
akpagbé: enterro provisório.
Aklúnózángbè/vodunzángbè: Domingo.
amà: folha, planta.
amasìn: erva medicinal.
anansi (1): aranha.
Anansi (2): herói/divindade do povo ashanti de Gana.
Aótín: bênção para os iniciados da família de Hevioso.
Apehe/Aperê/jwá/ahisu/tasén: o mesmo que borí para os nagôs.
asì/sì: esposa, mulher.
àsú/sú: homem, marido.
asoklé: perdiz.
atàn: vinho de palma.
àtín: árvore
àtinmévodun: vodun que vive na árvore.
àtínsá: árvore onde está o vodun.
atɔ̀/tɔ̀/mejitɔ̀: pai.
anó/nó/naé/yă/mejitɔ̀: mãe.
àvalú: respeito, homenagem.
Avimaje: vodun da família de Sakpata.
àyǐ: terra
àyǐ-vodun: vodun da terra.
Àyǐxósú: Rei da Terra, título de Sakpatá.
Àyǐzàn: vodun da memória ancestral (jeje-mahi). Senhora dos mercados; esteira da terra.
Avlekétè (Averekete): vodun jovem e pescador.
Avlekétèsì: pessoa consagrada à Avlekétè.
avivosún: agosto
arri (grafa-se axì): mercado.
Axósí (arrossí): rainha.
Axósú (arrossú): rei.
Axósúzángbè:o dia do rei – sexta-feira.
ayidósùn: junho.
ayoma: cebola.
avun: cachorro.
awewe/klamklamle: borboleta.
Azaká: vodun originário de Savalu. Caçador.
Azànsú/Azònsú: um dos nomes de Sakpatá; homem da esteira/homem doente.
Azănzágbè: Quarta-feira.
Azawani: vodun da família de Sakpatá.
aze: calma
Azli (Aziri): vodun das águas, representada como uma serpente.
Azlisì: pessoa consagrada à Azli.
Azli togbosì (Aziri Tobôsi): grande mãe do jeje mahi, a senhora das águas profundas.
azin: ovo
Aziza: vodun da floresta.
azòn/azinzonò: mal/doença.
azòndató: bruxo (a), envenenador, “preparador de doenças”.
azònvo: lepra.
Azuá: vodun dos mercados que fala muitas línguas, parecido com Legba.
Azuásì: pessoa consagrada à Azuá.

B

Bafono Deká: vodun representado por uma cobra com cabeça de crocodilo.
Bakonò: sacerdote de Fá, o mesmo que babalawô para os nagôs.
Bakuxé (lê-se bakurrê): prato de barro.
behún: ritmo.
Benoi: a bênção para os iniciados da família de Dan.
Bosalabe: vodun feminino da família de Dan, Irma de Bosuko.
Bosuko: vodun da família de Dan.
byo gbè: pedir a palara.

C

cé (chê): meu, minha.
cíɔɖiɖi (chiodidi): enterro, sepultamento.
cyó: morte; morto; cadáver.

D

Daá: pai; patriarca.
Dadá: pai.
Dadá-Segbo: Pai criador; Mawu-Lissá.
Dadaxo (lê-se Dadarrô): Rei; um rei do Dahomey; vodun cultuado na Casa das Minas, o patriarca da família de Davice.
Dandaxo: o Rei Cobra.
Dagbosi aó: pedido de bênção do iniciado cujo vodun pertence à família de Hevioso, para um sacerdote de outra família.
dahún: conjunto de três tambores.
Derrirró (grafa-se ɖɛxixò): ato de rezar.
Dan: serpente mitológica
dàn: serpente, cobra
Danbadahwedó/Dambala: grande serpente (vodun).
Dangbέ: serpente da vida, conhecido no Brasil como Gbέsén.
Dangbέsén: assentamento do vodun Dangbέ.
dàgbó/daagbó: avô, grande patriarca.
Deré: mãe criadeira e auxiliar (em alguns terreiros designa a mãe pequena).
Deré vitu: substituta da Deré.
dokwín: batata-doce.
dosi: nome de menina que nasce após gêmeos.
dosu: nome de menino que nasce após gêmeos.
dorozàn: dança, o mesmo que xirê.
Doné: sacerdotisa cujo vodun pertence à família de Hevioso.
Doté: sacerdote cujo vodun pertence à família de Hevioso.
Doté/doné aó: pedido de bênção dos iniciados cujo vodun pertence a família de Hevioso para seu (a) dote/doné.
dokwé/kúkwé (grafa-se doxwé/kúxwé): cemitério.

E

édàbò: adeus.
egbe: hoje.
ekidi: acaçá vermelho.
Eku: a Morte (divindade).
émi/emilɛ̌: ele/ele mesmo.
éŏ: não.
Etemi: alguém com mais tempo de “santo”. O mesmo que egbomi para os nagôs.
esín/sín: água.
Ewá: vodun feminino das famílias de Dan e Sakpatá.
ewásì: pessoa consagrada a Ewá.
ésù: para cima.
ezuzú: leque; abano.

F

Fá/Gbadú: divindade da advinhação.
Fáká: cabaça para consultar Fá.
feniè: mandioca; farinha de mandioca.
filà/fula/gbàkún: chapéu.
Frekwen/kwenkwen: vodun feminino da família de Dan; a esposa de Gbèsén.
fón: ação de acordar; acordar alguém.

G

Găyăkú: um título sacerdotal do jeje-mahi.
gàn: metal, ferro.
găn: importante… senhor ou senhora, no sentido de “importante”.
gan: instrumento de metal tocado no candomblé.
gannyikpén (gaimpê): Ogã auxiliar do kpénjígan
gankutó: ogã responsável pelo rito aos ancestrais e por Ayizan.
gantó: ogã que toca o instrumento gan.
gbàdà: noite.
Gbadé: vodun da família de Hevioso.
gbé (bê): voz, fala, linguagem, língua.
gbέ (bé): vida.
-gbè(bê – sufixo): demarca dia, local.
gbĕ (bee): mato, campo.
gbedomè: olá, saudações.
Gbέdoto: Criador da Vida (Măwŭ-Lisá)
gbègluzà: javali, porco selvagem.
gbeme: atmosfera, natureza.
gbŏ: cabras.
gbò: pare.
gbó: muito (no sentido de bastante); em grande quantidade.
glo: em baixo, abaixo
Grá: entidade violenta que possui a vodunsì durante o período de iniciação, durante três dias e três noites.
gŭzangbè: dia dedicado ao vodun Gŭ – terça-feira.
Gŭ: vodun dos metais e da guerra.

H

hă/ahă: navalha.
hàn/hanjiji: cantar, canto, canção.
Henugán: chefe de uma família.
Hŏxó/Hoho (rorrô): gêmeos; o mesmo que a divindade Ibeji dos yorubás.
hon: umbigo.
honkan: cordão umbilical.
hun: por isso.
hùn: o mesmo que vodun
hún: ato de o vodun dançar; “tomar hún”.
hŭn: tambor.
hùndoté: o mesmo que abiasé para os nagôs.
Hùngán: sacerdote ou sacerdotisa de vodun, espécie de “avô ou avó de santo”
Hùngbónò/Hùngbónà: sacerdote ou sacerdotisa do vodun (“pai ou mãe de muitos voduns”)
Hùnkpámè: convento/terreiro de vodun.
Hùnnyĭ (Hùn in): o nome particular de um vodun (nyĭ=nome).
Hùnsó: cargo que designa a mãe pequena.
Hŭntɔ: “pai do tambor”.
hùnsì: o mesmo que vodunsì.
Hùnnò: o mesmo que vodunnò.
hwè: sol
hwelekó: inicio da tarde.
hwemenududu: almoço.
hwenù: tempo
hwevi: peixe.
hwemè: meio-dia.
hwi: você.

I

ifé: amor.
ijó: dançar.
iuá: ajoelhar.

J

Jexosú (jerrossú): Rei das Jóias – um dos títulos do vodun Sakpatá.
jì: gerar; dar origem.
jĭ: céu; o alto.
Jĭ-vodun: vodun do céu.
jijì: nascimento.
jiví: faca.
Jo: vodun da atmosfera, das chuvas e conselheiro dos “recém-mortos”. Seu nome significa “ar”.
Jono-vodun: vodun estrangeiro; vodun que não pertence à cultura “jeje” (nagô-voduns).
Jokolatino(*): vodun do jeje-baiano.
Jwá: rito semelhante ao bori dos nagôs.

K

kágò: cabaça pequena.
kénkún: goiaba.
kinikíní: leão.
kokwé: banana.
kógbén: prato de barro.
Kónyasún: outubro.
Kpadadá/Parará/Pararaligbú: vodun feminino da família de Sakpatá.
kpe/paó: palmas.
kpò (pó): envelhecer
kpɔ̀ (pô): pantera.
Kpɔ̀sú: homem-pantera; vodun representado pela pantera.
kpɔ̀vĭ: filho da pantera
kú/kukú: morte; morto.
kúkwé/kúkpámè: cemitério.
kútútó: o mesmo que egun; alma, espírito.
kútitó/kútútókwé: casa dos kututó (jeje-modubi; jeje-mina).
kwabó: bem-vindo!
kwin: grão; semente.

L

lamisingbè/nyonuzangbè: quinta-feira.
lan: carne.
lékè: cana-de-açucar.
lε: cultivar.
Legbá: divindade análoga ao orixá Exú dos yorubás.
Lidosún: abril.
Lisá: divindade co-responsável pela criação.
lĭndŏn: alma.
Lŏko: “Chlorophora Excelsa”. Esta árvore é frequentemente utilizado como um apoio para os voduns. Vodun Loko – divindade que habita dentro da árvore, senhor da memória ancestral.

M

majidenò: mulher que não pode ter filhos.
Măwŭ: divindade responsável pela criação.
mε: pessoa.
mεjitɔ̀: pessoa que gera; pai; mãe.
Mεjitɔ̀: sacerdote ou sacerdotisa cujo vodun pertence à família de Dan.
mεdaxo (medarrô): grande homem.
mεkúkú: cadáver; pessoa morta.
mεwì: negro, preto, escuro.
mεxóxó (merrorrô): pessoa velha, antiga.
mĭ: nós; nosso.

N

nafí: tia.
nănà(1): respeitável senhora; mãe.
Nănà(2): ancestrais divinizadas ligadas ao culto de Măwŭ.
Nănà Búlúkú: divindade originária de Dassa-Zume.
nă/naé/năjinò/nò: mãe.
nògbó/nonò: avó.
Nòcé (Nochê): minha mãe. Cargo de sacerdotisa do Tambor de Mina.
Nòcé Naé (Nochê Naê): ancestral mítica da família Davice (Tambor de Mina), junto com Zomadonu comanda os destinos da Casa das Minas.
novĭ: irmão
novĭcé (novichê): meu irmão
núkúkú: cadáver de animal.
nùwíwá: ritual.
Nurruasún (grafa-se nuxwasún): Maio.
nyà: caça.
nye: eu.
nyĭ: nome.
nyĭko: nome terreno.
nyĭ jíjè: apelido.
nyó/myó: fogo. hùnnyó (runhó): vodun do fogo.
nyonú: senhora.

O

odàbò: adeus.
okú: olá.
oo: sim, obrigado.
osó: cavalo.
Otolu: vodun da caça.
Ògŭ/Ògŭn: vodun dos metais e da guerra (Gŭ).
Olisá/Olisasá: vodun Lisá (jeje-mahi)
Ojikún/Jikún: vodun feminino da família de Dan.

P

Parará/Kpadadá/Pararaligbú: vodun Sakpatá feminino.
pararásì: pessoa consagrada ao vodun Parará.
paó: palmas.

S

Sakpatá: divindade da varíola e da terra. Rege todas as enfermidades de pele.
sakpatásì: pessoa consagrada à Sakpatá.
Sε: força vital; alma; espírito; destino pessoal.
sén: adorar/cultuar
sisén: adoração.
Sibigbè/sabadú: Sábado.
sihún/: período de luto, onde se realizam os rituais (zehin) ao morto.
só: montanha.
sò: raio.
sósi: rabo de cavalo.
Sògbó: Grande Raio – vodun da família do raio.
sunná: nome religioso de alguém.

T

ta: cabeça
tasén: cultuar a cabeça; o mesmo que borí para os nagôs.
to: aldeia; vilarejo.
tó: orelha.
tò: fonte, rio, água.
tɔ̀: pai; patriarca.
tògbó: água em grande quantidade; muita água.
tɔ̀gbó: patriarca; grande pai; avô.
togbó: grande aldeia.
tògbósì: Esposa (ou mulher) da água em grande quantidade (Azli Tògbósì). Divindades infantis da realeza do Dahomey.
To-vodun: vodun que protege aldeias.
Tò-vodun: vodun aquático.
tɔ̀-vodun: vodun patriarca.
Tòxósú: rei das águas; voduns monstruosos, filhos de reis.
tɔ̀cé (tochê): meu pai.

V

vĭ: filho.
vĭcé (vichê): meu filho.
Vodúnsén: cultuar o vodun.
Vodúnkpámè: o mesmo que Hùnkpámè. Terreiro de vodun.
Vodúnxwé/kwé: casa onde se cultua o vodun.
Vodúnsì: pessoa consagrada ao vodun.
Vodúnzàngbè: domingo (dia do vodun).

W

we: você.
wè: dois
wensagún: mensageiro.
Wòósún: dezembro.

X – com som de “RR”

xwé/kwé: casa.
xó: fala.
Xεbiosò: o mesmo que Hevioso.
Xooxo: velho, antigo.
Xú: mar, oceano. Vodun do mar.
Xwejisún: março.
Xwe yoyo: ano novo.

Y

Yă: palavra derivada de Iyá, significa mãe.
ye: eles; elas.
Yέ: sombra; reflexo.
Yovozen: laranja (fruta).

Z

zàn/azàn: esteira.
zăn: noite.
zăngbè: dia
zăndró: ritual que antecede as festas públicas do jeje-mahi. Convite aos voduns.
zehin: cada um dos ritos fúnebres.
Zofínkplósún: fevereiro.
zò/izò: fogo.
zŏ: chuva.
Zòmadonu: vodun chefe da Casa das Minas; toxosú; filho anormal do Rei Agonglo.
zŏsún: setembro.
zunme: floresta.

Yorubá - Nigéria

Letra A
Ààbò - metade
Ààfin - Palácio, residência de um rei (Oba)
Àáké - machado
Ààrè - doença, fadiga, cansaço
Ààyè - vida
Aba - escada de mão
Abánigbèro - conselheiro, aquele que aconselha, um sábio mais velho
Abanijé - difamador
Abaya - rainha mãe
Abélà - vela
Abomalè - aquele que cultua os ancestrais (egúngún)
Abòrisà - aquele que cultua/adora os orixás
Aboyún - mulher grávida
Abuku - desgraça
Adèbo - pessoa que prepara a comida com os animais oferecidos em sacrifício de acordo com as regras religiosas
A dúpé - agradecemos a você
Afará - oyin - fovo de mel
Àfomó - doença infecciosa, trazida pelo Orixá das doenças infecciosas
(Babaluaiyé; Xapanã)
Àgàn - mulher estéril
Agbádá - vestes sacerdotais
Àgbàdo - milho, sagrado para o Orixá Èsù (Bará)
Àgbaiyé - o mundo inteiro
Àgbon - coco
Àìsàn - doença
Áike - machado
Aláàfin - título tradicional para o rei de Oyó
Letra B
Báàlè - chefe de um povoado, com menos status que um Oba
Bàbà - milho da Guiné
Babagba - homem velho, geralmente o avô
Báde - caçar em grupo
Bájà - lutar, brigar
Balògun - chefe da sociedade dos guerreiros Bàlagà - entrar na maturidade
Barapetu - grande, uma pessoa de distinção
Burú - ruim, negativo, destrutivo
Letra D
Dáàdáà - bom ou bonito
Dabòbò - proteger, fornecer proteção Dàgbá - envelhecer, ficar velho
Dàgalágbà - tornar-se um homem adulto
Dalè - quebrar uma promessa Dára - bom, ser bom
Dáradára - muito bom, tudo certo
Délade - coroar um rei
Dele - chegar em casa
Dídá - ara - boa saúde
Dígí - espelho
Dùbúlè - deitar
Letra E
Éèdì - encanto, feitiço
Éègun - ossos, ossos humanos
Efi - fumar
Égbéé - amuleto de proteção para o Orixá (Ògún)
Egbò - chaga, ferida
Égún - espírito dos ancestrais
Eji - chuva
Ejò - cobra
Èké - pessoa mentirosa, falsa, fraudulenta Ékú - rato
Elégbògi - curandeiro que usa ervas
Elésù - pessoa que adora o mensageiro Èsú
Elu - estranho
Enìní - inimigo
Enini - orvalho da manhã Erinká - milho na espiga
Erú - carregamento, fardo Erupe - sujo
Ewé - folha de planta
Ewu - perigo
Ewú - cabelo grisalho, sinal de dignidade
Ewure - cabra
Èdán àrá - pedra de raio, sagrada para o Orixá Sàngó
Edùn - machado
Efó - vegetais verdes
Èfóri - dor de cabeça
Ègbé - comunidade de pessoas com o mesmo propósito
Eiye - pássaro
Èmí - respiração, também se refere a alma humana
Enyin - você
Èrúbo - compromisso de fazer uma oferenda aos Orixás
Èwòn - corrente
Letra F
Faiya - encantar, seduzir
Fári - cortar o cabelo com lâmina
Fe - há muito tempo
Fèrè - flauta Fé - amar
Féniyawo - casar
Fijúbà - respeitar
Fòiya - estar com medo, amedrontado
Fowólérán - agir com paciência
Funfun - branco
Fúnwiniwini - garoar
Fúnlèfólorun - dar liberdade, agir de maneira certa
Fúù - o som feito pelo vento
Letra G
Gáàri - refeição feita de farinha de mandioca
Gala - veado, alce
Géndé - homem forte
Gèlédé - sociedade dedicada a homenagear os ancestrais
Góòlù - ouro
Gòmbó - cicatriz; marca no rosto que indica linhagem
Gun - subir
Gùn - pessoa alta
Gunnugun - abutre, urubu
GB
Gbabe - esquecer
Gbada - faca com lâmina grande
Gbàdúrà - rezar
Gbagbo - acreditar
Gbaguda - farinha de mandioca
Gbajumo - cavalheiro; homem gentil Gbé - levantar
Gbédè - agir de maneira inteligente
Gbérè - cumprimentos Gbese - dívida
Gbéyàwó - casar Gbóju - bravo
Gbórín - grande Gbúròó - ouvir Letra H
Hà - expressão de prazer
Halè - amedrontar, ameaçar, intimidar
He - pegar, apanhar Hó - ferver
Hun - tecer, trançar
Hùwà - comportar-se
Letra I
Ìbà - homenagem em respeito aos Orixás
Ìbamolè - forças espirituais que são merecedoras de respeito
Ibà pójúpójú - febre muito alta Ibòòji - sombra
Ibúlè - àrun - leito de doença
Ibúlè - ikú - leito de morte
Ibùsùn òkú - cemitério
Ìdáwò - consulente de adivinhação
Ifáiyable - visão mística Ìfeseji - perdão
Iga - quintal de um ancião
Ìgbà - história
Igbado - milho
Ìgbàlè - cemitério
Ìgbín - lesma, caracol
Igbó - floresta
Igbódù Òrìsà - local sagrado para iniciar uma pessoa nos mistérios dos Orixás
Ìgboro - rua, estrada
Igi - òpe - palmeira
Ihò - buraco Ija - luta
Ikú - morte
Ikùn - estômago
Ilà - marcas faciais
Ìlù - tambor
Ìmale - respeito ao ancestral
Ìmáwò - ara - encarnação, estado de reencarnação
Ìmólè - forças da natureza (Òrìsà)
Imo - ope - folhas de palmeira
Ìpàdé - encontro Ipin - guardião
Ìràwò - estrelas
Ìtefá - iniciado nos fundamentos de Ifá
Ito - urina
Ìyáláwo - divindade feminina, mãe dos mistérios
Ìyálè - esposa mais velha em uma família polígama
Imonamona - raio
Iná - fogo
Ìpelé - pequena cicatriz facial que indica a linhagem familiar
Ìpitan - tradição oral
Ìrawò - estrelas
Ìrésì - arroz
Ìrèmòjé - cânticos do funeral dos caçadores
Irin - ferro, sagrado para o Orixá Ògún
Irun - cabelo
Irúnmòle - forças da natureza (Òrìsà)
Ìsàlè - órgãos reprodutores
Ise - trabalho
Ìségún - reverência aos antepassados
Isinkú - funeral
Ìtan - história, lenda, mitologia
Ìtan - àtowodowo - lenda tradicional, história sobre os orixás
Ìwà - àgba - caráter de um ancião
Ìwà - édá - natureza
Iwóòrò - ouro
Ìyá - mãe
Ìyá - àgan - mulher mais velha, (anciã), dentro da sociedade dos médiuns ancestrais
Ìyáàgbà - avóÌyáláwo - divindade de ifá feminina, significa: " mãe dos mistérios ".
ÌYálorísà - mulher iniciada nos mistérios das forças da natureza (Òrìsà).
Ìyálè - esposa mais velha em uma família polígama.
Iyekan - ancestrais do pai
Letra J
Jade - sair
Jádeogun - preparar o combate
Jádi - atacar
Je - comer
Je ewo - má sorte que vem como o resultado de uma violação de tabu/regra
Jéjé - rogar uma praga
Jeun - comer
Jéwó - confessar Jé - acordar
Jigi - espelho Jije - comer
Jikelewi - borrifar
Joko - sentar
Jóná - estar em chamas
Jóò - desculpar, perdoar Jowo - grande favor
Juba - rezas, pedido
Letra K
Kàdárà - destino
Kábiyèsí - cumprimento de respeito a um rei (oba)
Kábíyèsìlè - expressão de respeito a um chefe ou mais velho
K'àgò - pedir permissão para entrar em uma casa
Kalè - sentar
Kaná - estar em chamas Kárò - bom dia
Kárùn - ficar doente
Kàwe - ler
Káwó - saudação, aclamação Ké - cortar
Kedere - clarear, esclarecer
Kékeré - pequeno
Kéré - ser pequeno
Kéhìndé - o segundo gêmeo a nascer
Kíkún - mortal Kiniun - leão
Kórira - odiar
Kókóró - chave; sagrado para o mensageiro Exu (Èsú)
Kòla - noz de cola amarga. Sagrada para a maioria dos Orixás
Korin - cantar
Ku - morrer
Kunle - ajoelhar no chão como um gesto de respeito, tanto para um local sagrado como para uma pessoa mais velha
Kunrin - cantar
Kurumu - redondo
Letra L
Lá - sonhar
Lábelè - secretamente
Láikú - imortal
Làí - làí - o começo (considerar tempo)
Láí - láí - para sempre
Làlóju - esclarecer, iluminar
Létòl'tò - segmentos de um ritual
Léwà - ser bonito
Lódè - do lado de fora
Lodê oni - no presente
Lókun - forte
Lóni - hoje
Lówò - ser rico, ter abundância
Lókan - bravo
Lukoun - pênis
Letra M
Ma - de fato, realmente
Maga - sacerdote chefe do Orixá Xangô (Sàngó)
Màlúù - boi
Màrìwò - folhas de palmeira
Méjì - dois
Mérin - quatro
Mérìndílógún - dezesseis (16), também usado para referir a um sistema de adivinhação usado pelos iniciados de Orixás que está baseado nos primeiros dezesseis versos da divindade Ifá (Odù)
Meta - três
Méwà - dez
Mi - engolir, respirar
Mímo - sagrado, divino
Míràn - outro
Mo - eu
Mojú - saber, conhecer
Móoru - tempo quente
Mu - beber
Letra N
Ná - primeiro de todos
Nba - juntar-se Nfe - amar Nje - bem
Njo - dançar
Ni - dizer, ser, alguém, aquele, depende do contexto
Nígbàtí - quando Nikan - sozinho
Níle - em casa Nko - não
Nlá - grande Nlo - indo
Nmu - bebendo
Nrin - caminhando
Nro - pensando Nyín - você
Letra O
O - ele, ela, isto
Obì - noz de cola, usado num sistema simplificado de adivinhação
Obí - sexo feminino
Ogìnrin - mulher Óbo - vagina Obuko - bode
Òde - do lado de fora
Òde ayé - o mundo todo
Odideé - papagaio Odò - rio
Òdodo - justiça
Odukun - batata doce
Òfin - lei, direito
Ogbe - crista de galo
Ogbo ato - ficar velho, vida longa
Ogboni - sociedade de homens anciões que adoram o Orixá Onile
Ògèdè - encanto, feitiçaria
Ojise - mensageiros
Òjò - chuva
Òjòlá - jibóia
Ojú - olho ou face, dependendo do contexto
Ojù àse - força nos olhos
Ojugbede - sacerdote chefe do Orixá do ferro Ògún em Ilé Ifè
Ojubona - professor Ojú - óòri - sepultura, túmulo
Ojú ònà - caminho, estrada
Oku - cadáver, defunto
Okun - o oceano Olé - ladrão
Olórí - chefe
Olosa - Orixá da laguna
Oluwo - chefe adivinhador de Ifá do conselho masculino dos anciãos
Omi - água
Omi ayé - as águas da terra Omi - tútù - água fria
Omira - sangue menstrual
Ònà - estrada, caminho
Oníbàárà - cliente
Oníbode - porteiro
Onílé - guarda da casa
Oni're - nome em louvor para o Orixá do ferro Ogun, que significa "chefe da cidade de Ire"
Onísé - trabalhador
Òòsà - o mesmo que Orixá
Òòsàoko - Orixá da fazenda
Opèlé - corrente usada pela divindade Ifá, significa: " enigma da palmeira "
Òpin ìsìn - o fim do ritual
Òpópó - rua
Òpùrò - mentiroso
Orílè - nome de uma nação
Òrisà bi - esposa de Orungan
Òtitó - verdade
Otu - sacerdote que faz oferendas em nome do Rei (Oba)
Owó - dinheiro
Oyin - mel
Oba obìnrin - Rainha mãe Ode - caçador
Òdúndún - erva medicinal
Ofà - flecha
Ofò - feitiçaria Oka - cobra
Okòn - coração
Olona - nome em louvor ao Orixá Ogun que significa: "proprietário da estrada"
Olòwò - sábio mais velho Omo - criança
Omodé - criança jovem
Ònà - estrada
Òòni - O Rei da nação Yorubá
Ope - palmeira
Osán - fruta
Òsányìn - Orixá das ervas e dos medicamentos
Òsè - semana ritual de quatro dias
Òsóòsì - orixá da caça
Letra P
Pàdé - encontrar
Pákí - farinha de mandioca
Pákórò - ritual noturno nos funerais
Paré - desaparecer, ser destruído
Pari - completar
Pariwo - gritar
Pèlé - marcas na face. Caracteriza as famílias
Peleke - aumentar
Pín - dividir, repartir
Pitan - contar historias
Pòòkò - copo feito de uma casca de coco
Pupa - vermelho
Putu - bom
Letra R
Rà - comprar
Rá - engatinhar
Rári - rapar a cabeça, o primeiro degrau da iniciação
Rèrè - coisas boas, boa fortuna
Réin - rir
Riri - tremer de medo
Ròjo - chover
Run - perecer, sucumbir
Letra S
Sáà - estação, determinado espaço de tempo
Sàn - estar bem Sánmò - céu
Sanra - estar gordo
Sè - cozinhar
Sééré - chocalho, sagrado para o Orixá Sàngó
Sinsin - descansar
So - amarrar Sódé - fora Sòrò - falar
Sun - dormir
Sunkun - chorar
Sánku - morte prematura
Ségègé - tirar a sorte, fundição de certas formas de adivinhação
Sèké - mentir
Sòkoto - calças
Sòtito - ter fé
Letra T
Tà - vender
Táìwo - o primeiro gêmeo a nascer
Táláká - pessoa pobre Téfá - iniciação Ifá
Tanná - acender a luz Tara - pequena pedra
Te - estabelecer Tè - pressionar Té - espalhar
Telé - seguir
Tímótímó - pequeno
Tìnùtìnù - sincero Titi - até
Tóbi ode - caçar
Túndé - renascer
Tutu - frio
Letra W
Wà - ser
Wádi - fazer perguntas
Wejeweje - coisas boas
Were - jovem
Wo - relaxar
Wo'gun mérin - os quatro cantos do mundo, as quatro direções
Wolé - entrar
Woléwòdè - entrar e sair
Won - então
Wípé - dizer algo Wó - o qual
Wòran - assistir
Wodi - investigar
Letra Y
Yá - inundar
Yà - virar para o lado
Yalayala - gavião, rápido, veloz
Yàn - escolher Yanran - bom Yara - quatro
Yára - ser rápido Yesi - quem
Yeye - mãe
Yewere - sem valor, indigno
Yèyé - bobagem
Yi - isto
Yibi - grandeza Yio - desejo
Yo - aparecer

Letra A
Abadá - Blusão usado pelos homens africanos. Abadô - Milho torrado Abebé - Leque.
Abassa - Salão onde se realizam as cerimônias públicas do camdomblé, barracão. Adé - Coroa.
Adie - Galinha.
Adupé = Dupé - Obrigado.
Afonja - É uma qualidade de Xangô.
Agbô - Carneiro.
Aguntam - Ovelha.
Ajeum - Comida.
Alabá - Título do sacerdote supremo no culto aos eguns.
Aledá - Porco.
Alaruê - Briga.
Alubaça - Cebola.
Axó - Roupa.
Axogum - Auxiliar do terreiro, geralmente importante na hierarquia da casa, encarregado de sacrificar os animais que fazem parte das oferendas aos orixás.
Letra B
Baba - Pai.
Babaojê - Sacerdote do culto dos eguns; Ojé é o nome de todos iniciados no culto aos eguns.
Babassá - Irmão gêmeo.
Balê - Casa dos mortos.
Balé - Chefe de comunidade.
Beji - Orixá dos gêmeos.
Biyi - Nasceu aqui, agora. Bô - Adorar.
Letra C
Conguém - Galinha da Angola.
Cambaú - Cama.
Cafofo - Túmulo.
Caô - É um tipo de Xangô.
Catular - Cortar o cabelo com tesoura, preparando para o ritual de raspagem para iniciação no Candomblé.
Cutilagem - É o corte que se faz na cabeça do iniciado; é realizado para abrir o canal energético principal que o ser humano tem no corpo, exatamente no topo da cabeça,(no Ori), por onde vibra o axé dos Orixás para o interior de uma pessoa.
Letra D
Dã - Orixá das correntes oriundas do Daomé.
Dara - Bom, agradável.
Dide - Levantar.
Dagô - Dê licança.
Dê - Chegar.
Dudu - Preto. Letra E
Edu - Carvão.
Eiyele - Pombo.
Elebó - Aquele que está de obrigação.
Eledá - Orixá guia.
Erú - Carrego; carga.
Equê - Mentira.
Esan - Vingança.
Emi - Vida
Enu - Boca
Eran - Carne Ejó - Cobra.
Egun - Alma, espírito.
Epô - Azeite
Epô-pupa - Azeite de dendê
Eró - Segredo
Letra F
Fá - Raspar
Fadaka - Prata Filá - Gorro
Funfun - Branco Fenukó - Beijar Ferese - janela Fo - Lavar
Fún - Dar
Farí - Raspar cabeça.
Letra G
Ga - Alta, grande Ge - Cortar
Gari - Farinha
Gururu - Pipoca
Letra I
Ia - Mãe
Ia ia - Avó
Ialorixá - Mãe de santo (sacerdote de orixá)
Iban - Queixo
Idí - Ânus, nádega
Ibô - Mato
Ibó - Lugar de adoração
Ilê - Casa
Ibá - Colar, cheio de objetos ritualístico
Inã - Fogo
Ijexá - Nome de uma região da Nigéria e de um toque para os Orixás Oxum, Ogum e Oxala.
Ipadê - Reunião
Ida - Espada
Ida-oba - Espada do Rei
Ideruba - Fantasma Idodo - Umbigo
Ifun - Intestino
Idunnu - Felicidade Igi - Árvore
Ijo - Dança
Iku - Morte
Iyabasé - Cozinheira
Iyalaxé - Mãe do axé do terreiro
Letra J
Jajá - Esteira
Jalè - Roubar
Ji - Acordar, roubar Jeun - Comer
Jimi - Acorda-me Joko - Sentar
Jade - Sair
Jagunjagun - Guerreiro, Soldado
Letra K
Kà - Ler, contar Kan - Azedo
Kekerê - Pequeno
Koró - Fel, amargo Kòtò - Buraco Kuru - Longe
Ko Dara - Ruim Ku - Morrer
Kosi - Nada
Letra L
Là - Abrir
Lê - Forte
Lile - Feroz, violento Liló - Partir
Larin - Moderado
Ló - Ir
Lailai - Para sempre Lowo - Rico
Lu - Furar
Lodê - Lado de fora, lá fora Lodo - No rio
Lona - No caminho
Letra M
Malu - Boi
Meje - Sete
Mun - Beber
Muló - Levar embora
Mojubá - Apresentando meu humilde respeito
Mo - Eu
Mí - Viver
Mejeji - Duas vezes Mandinga - Feitiço
Maleme - Pedido de perdão
Mi-amiami - Farofa oferecida para exu
Modê - Cheguei
Letra N
Ná - Gastar Ní - Ter
Níbi - No lugar
Nítorí - Por que
Nu - Sumir
Najé - Prato feito com argila Nipa - Sobre Nipon - Grosso.
Letra O
Obé - Faca
Obé fari - Navalha Oberó - Alguidar
Obirim - Mulher, feminino
Ojiji - Sombra
Oju ona - Olho da rua, ( caminho )
Okó - Pênis
Omi - Água
Omi Dudu - Café preto Otí - Álcool
Owo - Dinheiro Oyin - Mel Obá - Rei
Odé - Caçador Orun - Céu
Ofá - Arco e flecha Olorum - Deus
Ota e Okuta - Pedra Odo - Rio
Obo - Vagina
Otin nibé - Cerveja
Otin Dudu - Vinho tinto
Otin fum-fum - Aguardente Odê - Fora, rua
Olodê - Senhor da rua Omo - filho, criança. Ongé - Comida
Letra P
Pá - Matar
Pada - Voltar
Padê - Encontrar Paeja - Pescar Peji - Altar
Pelebi - Pato
Pupa - Vermelho Paki - Sala
Patapá - Burro
Pepelê - Banco
Letra R
Rà - Comprar
Rere - Muito bem Re - Ir
Rìn - Trabalhar Rí - Ver
Ronu - Pensar
Roboto - Redondo
Letra S
Sanro - Gordo
Sare - Rápido, correr Sínun - Dentro
Sise - Trabalho Sun - Dormir
Sarapebé - Mensageiro
Sòrò - Falar B
Letra T
Tata - Gafanhoto
Tèmi - Meu, minha Toto - Atenção Titun - Novo
Tóbi - Grande, maior
Tàbá - Tabaco, fumo Tete - Aplicado
Tanã - Vela, lâmpada
Tún - Retorno
Taya - Esposa
Tutu - Frio, gelado
Letra W
Wa - Nosso
Wèrè - Louco Wúrà - Ouro
Wu - Desenterrar Wun ni - Gostar Wakati - Hora Wara - Leite
Letra Y
Yàgó - Licença
Yan - Torrar
Yaro - Ficar aleijado
Yiyan - Assado Yonrin - Areia
Yama - Oeste
Yara-ypejo - Sala
Letra X
Xaorô - Tornozeleira de palha da costa usada durante o recolhimento para o processo de iniciação.
Xarará - Instrumento simbólico do Orixá Obaluaiyê
Xê - Fazer
Xirê - Festa, brincadeira

Xi-Ronga - Moçambique

A
* ambanine - adeus a todos.

B
* bilo-bilana - passarinho.

C
* catete - pássaro cinzento.
* cocuana - velho; avô. . .
* Cuanza - maior rio de Angola.

D
* da - comer; gastar.
* dambo - sol; dia.
* di - eu; me .
E
* ee ou eno ou ina - sim.
* eñe - não.

F
* fa - morte; mortalidade . . .
* fachola - pá.
* famba - ir; andar; marcha; caminhar. . . .
* fixla - ocultar; esconder.

G
* gaba - orgulho; vaidade . . .
* gadjanga! - oh! meu Deus!
* ganguissa - namorar.

H
* ha - nós; por, de, em; ainda, de modo, senão . . .
* haba - nada.

I
* ina ou ee ou eno - sim.
* ina ka - certamente! pois sim.
* inguavana - prostituta.
* iwa - ele; ela.

K
* ka - em, de; tu, ele, isto . . .
* kakahuta - é verdade!
* karingana-Ua-karingana! - era uma vez.

L
* la - ele; ela.
* laha - aqui; ali; onde . . .

M
* ma - vós; eles; elas.
* mabala - cores; cor.
* machamba - plantação.
* machimba - excremento.
* mamana - mãe; senhora . . .
* manhingue ou maningue - muito bastante.
* mangondo - nome.
* matangadana - morcego.
* matope - lama; barro . . .
* mufana - rapaz; jovem.

N
* na - com; de; e . . .
* nabela - desejar; cobiçar . . .
* njingiritane - ave do mato.

O
* o! - oh! o quê?!
* oho - ah!; bem me lembro!

P
* pakama - subir; erguer-se . . .
* pamporja - orgulho; altivez . . .

Q
* qa - não.
* quissimusse - natal; boas festas.
* quizumba - hiena.

R
* rjako - nádega.
* rjambu - osso.

S
* saba - praia; areia.
* sabawu - sabão.

T
* ta - vir; chegar . . .
* tandja - ovo.
* tincarôsse - castanha de cajú.
* tombasana - rapariga solteira.

U
* u - tu.
* ulee! - viva!

V
* vinkili - loja.
* viki - semana.
* vokoda - assustar.

W
* wa - cair, tombar; ele, ela, tu.
* wa burbirji - terça-feira.
* wa bumbune ou waziyini - quinta-feira.
* wa buntlhanu ou wazixlanu - sexta-feira.
* wa burjarju ou wazitatu - quarta-feira.
* wotxi - relógio.

X
* xaba - comprar.
* xana - o quê?
* xibedjana - rinoceronte.
* xicombelo - pedir; implorar.
* xicomo - enxada.
* xigugo - casebre.
* xikotana - mocho.
* xipene - pequeno antílope.
* xirico - passarinho amarelo e de muito canto.
* xitimela - comboio.
* xitotonguana - passarinho saltitante.
* xitututo - motocicleta.

Y
* yanga - meu; minha.

Z
* zembe - machado.
* zibuku - vau.

Índice